O Polo


O Polo Lido foi criado em 2009 por um grupo de empresários de gastronomia, turismo e cultura do Lido, em Copacabana. A fome de vencer dos estabelecimentos ali situados fez com que eles arregaçassem as mangas e criassem projetos para irem às ruas.

Assim foi feito. Criaram projetos destinados à revitalização do bairro e à promoção das empresas ali localizadas. Desde sua criação, desenvolveram o evento “O Lido é Lindo”, o Prêmio Polo Lido de Gastronomia e criaram as campanhas: “Páscoa”, “Dia das Mães”, “Dia Internacional da Mulher”, “Hora do Planeta” e “Love in Lido” e os roteiros “Lido Art Déco” e “Outros Ângulos”.

O evento “O Lido é Lindo” acontece uma vez ao ano. O principal objetivo desta atividade é colocar o Lido em evidência, destacando sua história e contribuição à formação da cultura carioca e brasileira. A programação envolve um dia inteiro de atrações como festival de gastronomia, música, teatro, dança e performances.

Destacar a gastronomia local é o principal objetivo do “Prêmio Polo Lido de Gastronomia”. Através de votação popular que ajuda a eleger os destaques em mais de 10 categorias. Com urnas espalhadas pelo bairro, a ideia é valorizar a opinião do consumidor e movimentar a rede gastronômica local, incentivando os empresários a desenvolver novos conceitos para os pratos e para o atendimento.

As campanhas promocionais seguem a tendência do mercado, porém, voltada para a rede de associados ao Polo. O Love in Lido, por exemplo, os consumidores relataram as piores cantadas que já deram ou levaram, sendo que a pior e mais criativa cantada ganhou um brunch no Pégula do hotel Copacabana Palace. Na segunda e terceira edição, respectivamente, os empresários elegeram as melhores cantadas ecologicamente corretas e qual foi o namorado que batia um bolão, pegando carona no evento da Copa das Confederações 2013, que o Rio de Janeiro sediou.

Os roteiros “Lido Art Deco” e “Outros Ângulos” são os mais procurados pelo público. O primeiro, os admiradores do estilo Art Déco conhecem os bastidores deste gênero nos edifícios locais. Ao longo de duas horas, sempre guiada por profissionais especializados na área, é possível fazer um percurso que envolve mais de 11 prédios, nos quais é possível ver os usos da cultura brasileira como adorno e motivos decorativos dos prédios, numa demonstração da beleza e criatividade de arquitetos que povoaram a região, por volta de 1930. Já o segundo, acontece com uma caminhada ecológica na reserva do Parque do Chacrinha e no Morro do Babilônia, de onde se pode ter visões deslumbrantes da cidade do Rio de Janeiro. Ambos são gratuitos.

 

 

background